20160727_094728

Tristeza e comoção marcaram o enterro da pequena Luna Cristina de Castro, morta na última segunda-feira na zona rural de Delfinópolis.

Familiares e amigos tentavam entender  e achar resposta para o ocorrido. Lana foi sepultada no cemitério parque Jardim das Oliveiras por volta das 9h30 de hoje (27).

Os pais precisaram ser amparados por diversas vezes durante o enterro. Um tio da garota parecia não acreditar. “A menina sai para passear, e chega essa notícia que ela morreu. Não se posso falar em justiça, ainda é cedo. Entrego nas mãos de Deus”, disse.

Uma vizinha da família, que inclusive trabalhou com a mãe da pequena Luna, disse que recebeu a notícia através de uma amiga. “Eu fiquei sabendo através dele e foi um choque. A Luna estudava no mesmo colégio que a minha filha estuda. As duas estavam sempre juntas. É difícil acredita que uma menina tão jovem, cheia de vida, morre de uma forma trágica”, disse.

 

O caso

Luna Cristina de Castro, 10 anos, morava no Parque Progresso, zona sul de Franca e morreu baleada na noite desta segunda-feira (25) em uma festa na zona rural de Delfinópolis (cidade mineira a 98 km de Franca).

A garota era residente em Franca, no Parque Progresso, zona sul da cidade. Luna Cristina de Castro Oliveira

Segundo a Polícia Militar, um adolescente de 14 anos teria disparado acidentalmente contra a criança enquanto brincava com armas antigas guardadas na casa onde estavam.

De acordo com a polícia, a menina foi levada para o hospital da cidade e chegou a ser transferida para a Santa Casa de Passos (MG), mas não resistiu ao ferimento.

Aos policiais,  o dono da casa, de 50 anos, disse que as armas pertenciam ao pai dele. Pelo menos seis garruchas e munições foram apreendidos.

O dona da arma pagou R$ 10 mil de fiança e vai responder em liberdade.

Compartilhe nas redes sociais