José Corrêa Neves Júnior, vereador e proprietário do GCN (Grupo Corrêa Neves de Comunicação), foi condenado pela Justiça Federal de Franca e terá que prestar serviços comunitários durante 3 anos e 8 meses.

Segundo Júnior, dinheiro foi retirado da empresa para pagar dívidas após a morte do pai dele. “O tratamento do meu pai foi muito caro, ele também havia assumido compromissos. Depois devolvemos o dinheiro para a empresa, mas a Receita Federal entendeu como uma operação indevida”, explicou em entrevista à Rádio Hertz.

                                 Corrêa Neves Júnior durante entrevista/Foto: Cássio Freires

Ainda segundo o vereador, após a autuação da Receita Federal, foi gerado uma multa, mas devido a crise financeira o valor não foi pago durante um tempo. Posteriormente foi elaborada uma ação penal e a execução.

A condenação é de primeira instância. “Pretendo recorrer da decisão. Isso não tem nada a ver com a minha atividade parlamentar. Tenho certeza que vou mostrar no tribunal que não teve nenhuma atividade ilícita. O evento ocorreu há 14 anos atrás”, disse Corrêa.

Ainda durante entrevista à Rádio Hertz, Júnior disse que a situação da empresa é complicada. “Difícil como a de outros jornais do Brasil e do mundo. Poucas profissões tem sofrido tanto com as mudanças tecnológicas como a profissão de jornalista”, afirmou.

Compartilhe nas redes sociais