Na manhã desta segunda-feira, 16, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em parceria com o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (Unidade Regional de Ituverava) e com o apoio da Polícia Militar do Estado de São Paulo (região do Comando de Policiamento do Interior Três – CPI-3), deflagrou a Operação Loki, visando a desarticular extensa organização criminosa, formada por servidores públicos e empresários, responsável por fraudar inúmeras licitações da Prefeitura de Orlândia, na região de Franca.
As investigações se iniciaram há mais de um ano e até o presente momento foram identificadas fraudes em pelo menos 23 licitações, superfaturamento de contratos, além de irregularidades em ao menos 13 contratações por meio de dispensa de licitação.
Policiais militares durante a operação/Foto: divulgação
As licitações sob investigação resultaram na celebração de contratos que somam mais de R$ 14 milhões. Dentre os investigados, estão diversos funcionários públicos, incluindo secretários municipais, diretores de departamentos, membros da comissão de licitações, engenheiros, advogado, além de empresários.
O nome da operação é uma referência ao deus da mitologia nórdica Loki, conhecido como o pai da mentira, da trapaça, da farsa.
Objetos apreendidos/Foto: divulgação
Nesta segunda, foram cumpridos 115 mandados de busca e apreensão nas cidades de Orlândia, Nuporanga, Sales Oliveira, Morro Agudo, São Joaquim da Barra, Ribeirão Preto, Araraquara, Caraguatatuba, Taubaté e Itanhaém, além da capital.
Na cidade de Orlândia também foram cumpridos mandados de busca e apreensão em nove prédios públicos, incluindo o Paço Municipal, diversas secretarias (saúde, educação, desenvolvimento e assistência social, infraestrutura), almoxarifado, departamento de licitações, mini hospital e departamento de água e esgoto – DAE.
 A execução dos trabalhos contou com a participação de 28 promotores de Justiça de diversas regiões do Estado, 18 servidores do Ministério Público, mais de 200 PMs, além do helicóptero Águia, bem como três agentes de fiscalização e o diretor regional de Ituverava do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo.
As investigações prosseguirão para delimitar a participação de cada um dos integrantes na organização criminosa, bem como para apurar a prática de crimes como corrupção de agentes públicos, lavagem de dinheiro, cartel, falsificação de documentos, além de outras fraudes em licitações.
Compartilhe nas redes sociais