Hertz Noticias

A notícia à Serviço de Franca/SP

Após ver genro usar drogas durante 3 dias seguidos, mulher pede ajuda, mas esbarra em burocracia no CAPS

Compartilhar:

A família de Donizete Guilherme de Oliveira, de 25 anos, vive um drama com o jovem que dependente químico e busca tratamento na rede pública de saúde e não é assistida, em Franca. Elaine Cristina Rocha, disse que nos últimos dias, o genro chegou a passar três dias seguidos usando cocaína.  

Em entrevista para o jornalismo Hertz Notícias, ela contou procurou ajuda no CAPS (Centro de Atenção Psicossocial), mas esbarrou na burocracia e fez um desabafo.  

“Ela tá relatando que tem vontade de se matar, não tem vontade de viver mais, que ele usa droga porque quer morrer. Vão esperar ele morrer, pra não dar mais custo para o município, vão esperar ele virar morador de rua, porque chega uma hora que a família não suporta mais, isso é inadmissível, é omissão de socorro… Na  situação que meu genro está hoje, se eu fosse uma pessoa que desistisse, minha filha fosse uma pessoa que desistisse, que não tá nem aí, morreu, morreu, nós já tínhamos deixado ele ir para rua, porque a família não tem estrutura, eles estão sendo tratados pior que animais”.

Sem respostas, ela usou a Tribuna Livre da Câmara Municipal, durante a 6ª Sessão Ordinária realizada ontem (8) e fez um apelo aos vereadores e especialistas.  

Elaine recebeu o apoio dos parlamentares que criticaram a gestão do Estado de São Paulo. O vereador Kaká, do PSDB, explicou que a questão envolvendo o tratamento para dependentes químicos no CAPS é dividido em quatro fases, sendo experimental, habitual, vício e abuso. Quando está na fase de abuso, caso do paciente, não é responsabilidade do CAPS, primeiro é necessária a internação e depois quando a pessoa volta, aí sim recebe o apoio do Centro de Atenção Psicossocial e que para ele é preciso rever o critério.  

Elaine Cristina Rocha pediu ajuda para o genro durante uso da Tribuna Livre, na Câmara Municipal (Foto: CMF/Divulgação)

O vereador Della Motta foi além. Ele chegou a falar das vagas disponíveis para internação e da necessidade da intervenção do Estado para evitar que a cidade comece a virar uma cracolândia.  

Enquanto isso, Donizete e a família sofrem a espera de uma atenção e solução para o caso de um jovem que precisa de tratamento para deixar a dependência das drogas. 

A reportagem aguarda respostas da Secretaria de Ação Social de Franca e da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo.  

Compartilhar:

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado.